Segurança da informação: 10 erros ainda cometidos pelas empresas

Falar de segurança da informação algumas décadas atrás poderia soar como algo muito distante da realidade de muitas empresas brasileiras. No entanto, quando o assunto é cibersegurança, atualmente não há pontos de dúvida: ela vale para todos.

No ano passado, por exemplo, o Brasil sofreu mais de 100 bilhões de tentativas e ameaças de ataques cibernéticos, segundo levantamento da Fortinet. Além disso, esse cenário de múltiplos ataques se torna cada vez mais comum não apenas para as grandes empresas, mas também para as médias e pequenas, que comumente não se preparam para um cenário de ataques virtuais.

Por isso, neste artigo te apresentaremos os principais erros de segurança da informação, para te ajudar a evitar que sua empresa se torne estatística. Continue a leitura e confira!

Por que empresas ainda cometem erros de cibersegurança?

Muitas empresas continuam cometendo erros de cibersegurança devido a uma série de desafios complexos e que são interligados.

A falta de conscientização e educação sobre ameaças cibernéticas e práticas de segurança eficazes, por exemplo, é um problema persistente. Isso porque funcionários que não estão plenamente cientes dos riscos podem se tornar, inadvertidamente, os pontos fracos na defesa cibernética da empresa, sendo alvos de ataques de engenharia social e outras táticas de manipulação.

Pessoas que não foram treinadas a reconhecer um ataque de phishing, por exemplo, estão mais propensas a clicarem em links desconhecidos do que aquele colaborador que sabe reconhecer um possível malware.

Além disso, a alocação insuficiente de recursos é uma questão comum. Especialmente em pequenas e médias empresas, a limitação de recursos financeiros e humanos para investir em cibersegurança pode resultar em sistemas desatualizados e falta de pessoal especializado.

A crescente complexidade das infraestruturas tecnológicas das empresas também é um fator importante. Com a rápida adoção de tecnologias avançadas, as redes se tornam mais interconectadas e difíceis de proteger integralmente. Uma única vulnerabilidade pode ser explorada por criminosos hábeis, tornando a defesa contra ameaças cibernéticas um desafio constante.

A importância da segurança da informação nas empresas 

A proteção dos ativos digitais deve ser uma prioridade nas empresas, independentemente do seu porte ou segmento de atuação. Isso porque as informações empresariais, incluindo dados confidenciais, propriedade intelectual e detalhes de clientes, são ativos valiosos que precisam ser defendidos contra violações, vazamentos e roubos. 

Nesse cenário, a segurança da informação impede que esses ativos caiam em mãos erradas, preservando a competitividade e a reputação da empresa.

Além disso, a conformidade legal e regulatória é um aspecto crucial. Muitas indústrias estão sujeitas a regulamentações rigorosas sobre a proteção de dados e a privacidade do cliente.  No Brasil, por exemplo, a LGPD tem se tornado um motivo importante juridicamente para que as empresas estejam em conformidade, já que podem acarretar uma série de agravantes para a empresa que não seguir a lei.

Além disso, a segurança da informação também contribui diretamente para a preservação da reputação da empresa. Uma única violação de segurança pode abalar a confiança dos clientes e parceiros comerciais, resultando em perdas financeiras substanciais. A confiança é um ativo intangível, mas de valor inestimável, e a segurança da informação é fundamental para mantê-la intacta.

10 erros de segurança da informação ainda cometidos pelas empresas 

Apesar do crescente reconhecimento da importância da segurança da informação, várias empresas ainda cometem erros que as deixam vulneráveis a ameaças cibernéticas. Alguns dos principais erros incluem:

1. Falta de conscientização e treinamento

Muitas empresas ainda não investem adequadamente em treinamento de conscientização em segurança da informação para seus colaboradores. Isso resulta em uma equipe mal preparada para identificar ameaças, como phishing, e comportamentos inseguros, como compartilhar senhas ou clicar em links suspeitos.

2. Senhas fracas e reutilização

Senhas fracas e reutilizadas são um problema persistente. Muitos funcionários ainda utilizam senhas simples e previsíveis, tornando mais fácil para os invasores acessarem sistemas e contas. A reutilização de senhas em várias plataformas aumenta o risco de comprometimento em caso de vazamento de credenciais.

3. Atualizações e patches negligenciados

A falta de atualização regular de sistemas e aplicativos é uma brecha de segurança significativa. As empresas muitas vezes adiam ou ignoram atualizações e patches de segurança, deixando sistemas vulneráveis a ameaças conhecidas.

4. Acesso não gerenciado

A concessão excessiva de privilégios de acesso pode levar a uma exposição maior a riscos. Muitas empresas ainda não implementam uma gestão rigorosa de acessos, como a autenticação em dois fatores, permitindo que funcionários tenham acesso a informações e sistemas além do necessário para suas funções.

5. Falha em proteger dispositivos móveis

Com o aumento do trabalho remoto, os dispositivos móveis se tornaram alvos atrativos para cibercriminosos. No entanto, muitas empresas não implementam políticas adequadas de segurança para dispositivos móveis, como a utilização de senhas fortes e o uso de aplicativos de segurança.

6. Ausência de monitoramento contínuo

A detecção precoce de atividades suspeitas é crucial para conter incidentes de segurança. No entanto, muitas empresas ainda não possuem sistemas de monitoramento eficazes que permitam identificar atividades incomuns em tempo real.

7. Desatualização das políticas de segurança

As políticas de segurança precisam ser atualizadas regularmente para abordar novas ameaças e tecnologias. Muitas empresas não revisam suas políticas de segurança, o que pode deixá-las despreparadas para enfrentar as ameaças atuais.

8. Falta de planos de resposta a incidentes

A ausência de planos de resposta a incidentes pode agravar ainda mais as consequências de uma violação de segurança. Empresas que não têm procedimentos claros para lidar com incidentes enfrentam dificuldades na contenção e na recuperação.

9. Ignorar a segurança na cadeia de suprimentos

Fornecedores terceirizados e parceiros comerciais podem ser pontos de entrada para ataques cibernéticos. Algumas empresas negligenciam a segurança em sua cadeia de suprimentos, permitindo que vulnerabilidades se propaguem.

10. Subestimar ameaças internas

As ameaças internas representam um risco significativo. Algumas empresas subestimam a possibilidade de ataques ou vazamentos perpetrados por funcionários ou ex-funcionários descontentes.

Como a Algar Telecom te ajuda a evitar esses erros 

A Algar Telecom entende a sua preocupação com a continuidade e segurança do seu negócio. Por isso, pensamos em uma solução que se adapte ao seu negócio, garantindo um ambiente mais seguro e flexível, com o investimento do tamanho da sua empresa.

O Cloud Backup é um serviço de backup em nuvem voltado para empresas e organizações que desejam proteger e garantir a segurança de seus dados importantes. 

Ele permite que empresas façam cópias de segurança de seus dados e armazenem essas cópias em servidores remotos na nuvem. Isso oferece uma camada adicional de segurança, pois os dados são protegidos contra perda devido a falhas de hardware, desastres naturais ou ações maliciosas.

Descubra a solução ideal para sua empresa, entre em contato conosco para saber mais.

 

Avalie este post