Zero day (Dia Zero): o que é, como funciona e como se proteger

zero day

Você sabe o que é zero day? Que tipo de malware é projetado para tirar vantagem de uma falha de segurança antes que ela seja conhecida?

Provavelmente, os gestores de TI já se depararam com essas perguntas, que estão intimamente conectadas. Afinal, estamos falando de uma vulnerabilidade que abre as portas para ataques cibernéticos gravíssimos.

Se você não está preocupado com isso ainda, vamos trazer um dado para acender o alerta. De acordo com o Relatório SonicWall de Ameaças Cibernéticas 2022, quase todas as ameaças monitoradas, assaltos digitais maliciosos e ataques cibernéticos aumentaram em 2021. 

Ameaças criptografadas, ransomware, malware na IoT e cryptojacking são apenas alguns exemplos. E você sabia que o Brasil é o quarto maior alvo de ataques de ransomware no mundo?

Não se pode brincar quando o assunto é segurança da informação. Por isso, vamos explicar o que é uma vulnerabilidade zero day, como funcionam os ataques e muito mais!

Acompanhe!

Confira nosso e-book sobre integração de redes e segurança!

Leia também:

O que é um zero day (dia zero)?

Dia zero é uma falha que acabou de ser conhecida pelo fornecedor ou desenvolvedor, e ele possui exatamente “zero dias” para corrigi-la antes que seja alvo de um ataque. 

Quando falamos sobre zero day, o que é, precisamos entender as três questões relacionados a ele:

  • Explorações de dia zero: método dos hackers para atacar sistemas com vulnerabilidade não identificada anteriormente.
  • Vulnerabilidades de dia zero: falha não descoberta pelos fornecedores, mas encontrada pelos invasores.
  • Ataques de dia zero: ação dos hackers ao utilizar a vulnerabilidade para violar o sistema.

Como funciona o ataque do zero day?

O ataque zero day, como apontamos, ocorre quando os cibercriminosos detectam a vulnerabilidade antes dos desenvolvedores ou fornecedores. 

E os hackers exploram as vulnerabilidades de diversas maneiras, de acordo com a forma pela qual eles as descobrem. 

Após identificá-las, eles buscam uma maneira de alcançar o sistema vulnerável, como e-mail de engenharia social. Com ele, há uma tentativa de convencer o usuário a realizar uma ação, baixando o malware do invasor

O criminoso pode também criar um código de exploração. Esse código pode vitimar os usuários com roubo de identidade e outros crimes virtuais.

Após criar o código, pode ser que o público ou os desenvolvedores descubram o problema. Neste momento, os profissionais corrigem o problema com um patch, recomendando a atualização dos sistemas. Porém, isso nem sempre ocorre com tanta rapidez.

E quem são esses cibercriminosos?

Quem pode fazer os ataques?

O ataque zero day pode ter diversas origens quando olhamos pelo aspecto de quem pode realizá-los. São eles: criminosos virtuais, empresas, guerra virtual e hacktivistas.

Criminosos

Os criminosos virtuais ou cibercriminosos são hackers que fazem ataques com a motivação de ganho financeiro, em geral.

Outras empresas

Outras empresas também podem realizar os ataques de dia 0, o que é chamado de espionagem corporativa, pois a finalidade é obter informações.

Guerra virtual

Atores políticos ou países atuam em meio digital para espionar outro país e/ou atacar sua infraestrutura virtual. 

Recentemente, você deve se lembrar dos relatos da Ucrânia sobre uma onda de ataques cibernéticos, no contexto da guerra com a Rússia. É um exemplo de guerra virtual.

Hacktivistas

Os hackers que se motivam por uma causa política ou social são os chamados hacktivistas. O objetivo dos ataques é ganhar visibilidade para atrair atenção para sua causa.

Perceba que há uma ampla gama de vítimas em potencial, que inclui desde indivíduos que usam um sistema vulnerável a grandes organizações e alvos políticos.

Mas o que pode ser invadido no zero day? Veja a seguir alguns sistemas e componentes que podem ser objeto de ataque.

O que pode ser invadido no zero day?

Imagem simulando um hacker invadindo um computador. Na tela do computador em que ele mexe está escrito zero day.

Os hackers de dia zero podem explorar vulnerabilidades em uma variedade de sistemas e componentes. Confira:

Sistemas operacionais

Um dos objetos mais comuns de ataques de dia 0 são os sistemas operacionais, especialmente os desatualizados.

O ataque do ransomware WannaCry em 2017 é um bom exemplo, porque ele se aproveitou de uma falha no sistema Windows.  

Navegadores da Web

Os navegadores da web também podem ser portas de entrada para este ataque cibernético. Uma técnica comum para explorar essa vulnerabilidade são os métodos de phishing de e-mail.

Internet das Coisas (IoT)

Existem ataques direcionados a dispositivos de IoT, como relatado em 2020 nos roteadores da Tenda. 

Uma botnet IoT baseada no malware Mirai explorou vulnerabilidades zero day nos roteadores da Tenda. 

Além de infectar os dispositivos e favorecer os ataques DDoS, ela implementou diversos meios de invasão usando roteadores como proxies.

Componentes de código aberto

Os softwares dependem cada vez mais de componentes de código aberto. O problema é que tais componentes, especialmente diante da falta de atualização, abrem brechas para ataques hackers.

Hardware e firmware

Você provavelmente ouviu falar do zero day que atacou os chips Intel, certo? É um exemplo de ataque em hardware.

O que pode acontecer com as invasões?

As invasões de dia zero podem trazer muitos prejuízos para a empresa, tais como:

  • Comprometimento da reputação da empresa perante os clientes;
  • Danificação da rede, com o objetivo de prejudicar os usuários da empresa;
  • Dificuldades em corrigir determinadas vulnerabilidades diante do uso de muitos sistemas;
  • Perda financeira, operacional e legal, com roubos de dados sigilosos, financeiros ou informações bancárias;
  • Vulnerabilidades como porta de entrada para ransomwares, malwares e outros arquivos contaminados.

Como identificar possíveis ataques do dia 0?

As vulnerabilidades de dia zero assumem diversas formas, como bugs, criptografia de dados perdidos e algoritmos danificados. 

Exatamente por essa natureza variável das vulnerabilidades, é difícil identificar possíveis ataques zero day.

Porém, existem algumas técnicas de detecção de dia 0 e práticas que podem contribuir. Veja alguns exemplos:

  • Ficar atento à a velocidade reduzida da rede;
  • Acompanhar o desempenho do seu software;
  • Observar tráfego inesperado e desempenho do site;
  • Coletar e monitorar relatórios dos usuários do sistema;
  • Observar atividade de verificação suspeita vinda de um serviço ou cliente;
  • Buscar características de malware baseadas em sua interação com o sistema visado;
  • Fazer um escaneamento de vulnerabilidades, considerando que muitos ataques têm como alvo aplicativos web;
  • Utilizar bancos de dados existentes de malware e comparar seu comportamento (ainda que esse banco de dados seja limitado ao revelar eventuais problemas).

Para entender melhor o zero day, o que é, vamos ver alguns casos reais de ataques!

Casos reais de ataques

Que tipo de malware é projetado para tirar vantagem de uma falha de segurança antes que ela seja conhecida? A resposta para isso você confere com alguns exemplos de ataque de dia zero!

Stuxnet (2010)

O caso Stuxnet é tão famoso que virou documentário (“Zero Days”). O ataque remonta a 2005, mas foi descoberto pela primeira vez cinco anos depois. 

O worm de computador malicioso afetou usinas de enriquecimento de urânio do Irã para atrapalhar o programa nuclear do país. 

Como? Atingindo um software de controlador lógico programável (PLC), provocando comandos inesperados na linha de montagem. 

Microsoft Windows, Europa Oriental (2019)

As instituições governamentais da Europa Oriental foram alvo de um ataque devido à vulnerabilidade de privilégio local do Microsoft Windows. 

A exploração de dia zero aproveitou a falha para instalar aplicativos, executar um código arbitrário, e visualizar e alterar os dados em aplicativos comprometidos. 

Apple iOS (2020)

Nem mesmo a mais segura das plataformas de smartphone fugiu do ataque de dia 0. Em 2020, dois conjuntos de vulnerabilidades foram identificados, e um bug permitiu que os invasores comprometessem iPhones remotamente.

Como evitar ataques no zero day?

Imagem de um homem simulando ser um hacker, mexendo em um computador. Saber como evitar um ataque zero day é importante para prevenir qualquer invasão em sua rede.

Considerando que os ataques de dia zero acontecem exatamente pelo desconhecimento da falha, as equipes de TI precisam adotar cuidados que minimizem as chances de ciberataques

Com boas práticas de segurança virtual, é possível reduzir os riscos. Inclusive, de acordo com a Statista, a receita de cibersegurança no Brasil somou quase 3,8 bilhões de dólares em 2017, mas deve atingir 5,56 bilhões de dólares até 2022.

Veja a seguir algumas opções para garantir a cibersegurança:

Firewall

Firewalls são paredes digitais entre o mundo exterior e seu sistema, motivo pelo qual desempenham um papel essencial para garantir máxima proteção. 

Em um eventual ataque de hackers, eles terão mais trabalho para atacar seu sistema.

Atualização de Softwares

Todos os softwares e sistemas operacionais utilizados na empresa devem ser atualizados constantemente. Afinal, você já sabe que os fornecedores fazem correções de segurança para lidar com as vulnerabilidades que foram identificadas.

Além das correções, as atualizações removem partes antigas ou inutilizadas de programas, corrigem bugs e introduzem novas medidas de cibersegurança.

Antivírus

Um antivírus abrangente não consegue, de fato, evitar falhas zero dar, mas mantém seus dispositivos seguros e bloqueia eventuais ameaças.

Ele pode, por exemplo, identificar malwares que apresentam comportamento suspeito ao explorar uma falha zero day.

Integração de redes e segurança

A integração de redes e segurança é uma forma de resolver problemas de gerenciamento e conectividade em redes corporativas.

Ao promovê-la, por meio de um SD-WAN, por exemplo, o gestor poderá ter ganhos de qualidade e desempenho de acessos.

Afinal, é preciso atender às demandas no que se refere à conectividade entre suas unidades, certo? Empresas com matrizes, filiais e franquias precisam manter a segurança e a agilidade de processos e dados, o que é possível com essa integração.

Como a Algar te ajuda a se proteger de ataques no zero day?

A Algar Telecom atua no setor de Telecom e TI há mais de 60 anos, oferecendo serviços de alta qualidade.

Para o ambiente corporativo, temos, dentre outras soluções, o serviço de gerenciamento de rede e segurança.

Sua empresa busca ferramentas para proteger os dados corporativos e evitar o ataque zero day e outros ataques? Confira algumas soluções que a Algar Telecom pode oferecer: 

  • Proteção Web: solução da Algar Telecom para banda larga, é focada em proteger a rede contra ataques cibernéticos e garantir maior adequação do negócio à LGPD.
  • SIEM: ferramenta que centraliza o monitoramento de todos os sistemas de segurança da TI empresarial, com relatórios detalhados globais, alertas imediatos de ameaças e suporte 24x7x365. É basicamente a evolução do firewall tradicional.
  • Gerenciamento de segurança (SOC): proporciona a organização formas de corrigir vulnerabilidades e garantir a segurança por meio de sistema de alertas, coleta de informações, análise dos dados e armazenamento de relatórios.
  • Vision MEDR: serviço de segurança de endpoint que proporciona recursos preventivos a ameaças, monitoramento de dispositivos, gerenciamento de acessos e serviços, bem como  relatórios de eventos de ameaças. A solução possui Inteligência Artificial avançada para interromper as ameaças.

Percebe como a Algar Telecom possui soluções relacionadas a todas as formas de prevenção de ataques cibernéticos? 

Preparamos um material completo para você conhecer mais sobre o SD-WAN, uma solução inteligente para integração de redes corporativas.

Baixe o e-book sobre integração de redes e segurança!

Perguntas Frequentes

perguntas frequentes sobre zero day

O ataque zero day pode trazer muitos impactos negativos para as empresas e é uma dor de cabeça para os gestores de TI. Por isso, vamos resumir a seguir as perguntas mais frequentes a respeito do tema.

O que é um zero day?

Dia zero é uma falha de segurança que não era conhecida em um software ou hardware. Por isso, a partir do dia da descoberta da vulnerabilidade, os desenvolvedores têm zero dias para corrigi-la e evitar o ataque de hackers.

O que é uma vulnerabilidade 0 day qual seu impacto na Segurança da Informação?

A vulnerabilidade 0 day é exatamente a brecha de segurança encontrada em softwares que ainda não era conhecida. 

Caso ela não seja corrigida imediatamente, torna-se um grande problema para a segurança da informação. Afinal, um malware pode invadir o sistema e causar ainda mais danos a ele.

Como funciona a vulnerabilidade?

A vulnerabilidade em dispositivos e softwares são brechas de segurança que se tornam porta de entrada para os ataques de hackers. 

No caso da falha zero day, a vulnerabilidade se desdobra de duas maneiras: ela é descoberta primeiramente pelos desenvolvedores, que correm contra o tempo para fazer as correções, ou pelos hackers, o que possibilita os ataques cibernéticos.

Como proteger a sua empresa no zero day?

É possível preparar a empresa para ataques hackers com sistemas que garantem a segurança dos dados e identifiquem as vulnerabilidades. 

Além disso, vale mencionar novamente os cuidados básicos que pontuamos, que são a adoção de firewall e antivírus, as atualizações de softwares, a integração de redes de segurança e a educação dos usuários.

Conclusão

O ataque zero day ocorre quando o cibercriminoso se aproveita de uma vulnerabilidade desconhecida pelo fornecedor ou desenvolvedor. 

Os prejuízos são inestimáveis para uma empresa, motivo pelo qual o gestor de TI precisa se atentar às boas práticas de segurança e às ferramentas que podem minimizar os riscos.

Confira os 6 erros que sua empresa não pode cometer na segurança de rede!

Avalie este post